Ansiedade

A ansiedade é um sentimento caracterizado pela tensão, desconforto e temor em relação a alguma situação específica ou a algo desconhecido. A ansiedade pode ser normal, mas também patológica. Ela é considerada patológica quando é exagerada e acfeta a qualidade de vida do indivíduo. Os transtornos de ansiedade são caracterizados pela ansiedade intensa e frequente, surgindo sem motivo aparente ou por motivos sem grande intensidade para justificá-la.

Esse tipo de transtorno é um dos mais comuns entre os transtornos psicológicos e ocorre mais em mulheres. Cerca de 18 milhões de pessoas são afectadas por essa doença. Dentre os diversos transtornos de ansiedade existentes, podemos citar:

  • Transtorno de ansiedade generalizada;
  • Transtorno de estresse pós-traumático;
  • Fobia específica;
  • Fobia social;
  • Transtorno de pânico;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo.

O que é a ansiedade?
A ansiedade é um sentimento ligado ao medo ou à expectativa em relação a alguma situação específica ou a algo desconhecido ou estranho, geralmente relacionado a um estado emocional negativo ou desagradável. A ansiedade também se manifesta por meio de sintomas físicos, como a taquicardia e a respiração ofegante.

Todas as pessoas estão sujeitas a apresentarem quadros de ansiedade em algum momento (já que a ansiedade pode apresentar-se como um quadro normal), diante de algumas situações que possam desestabilizar ou gerar medo, sendo importante até mesmo para ajudar-nos a reagir de forma adequada a situações de perigo. No entanto, ela pode ser também patológica, afetando, nesse caso, cerca de 264 milhões de pessoas em todo o mundo, predominantemente as mulheres.

A ansiedade patológica pode afetar a qualidade de vida do indivíduo, inclusive sua produtividade.
A ansiedade patológica pode afetar a qualidade de vida do indivíduo, inclusive sua produtividade.

A ansiedade normal geralmente tem uma causa conhecida, estando ligada a alguma situação específica, e apresenta uma duração limitada. A ansiedade patológica é exagerada, desproporcional ao estímulo e não tem uma duração limitada, sendo assim persistente, podendo durar mais de seis meses.

As causas da ansiedade patológica também são inespecíficas, acredita-se que sejam multifatoriais, envolvendo fatores genéticos, neurológicos, psicológicos e ambientais. A ansiedade pode estar associada a outros transtornos psicológicos, como a depressão. Alguns fatores podem agravar os quadros dela, como o estresse, que, quando elevado, acaba por provocar alterações hormonais, afetando todo o organismo e levando a uma piora desse quadro.

Sintomas da ansiedade
A ansiedade apresenta-se como um sentimento de medo, apreensão, tensão e angústia diante de uma situação específica ou até mesmo de algo desconhecido, como um medo excessivo do futuro ou pensamentos catastróficos. Além desses sentimentos, a ansiedade pode manifestar-se por sintomas físicos que não estão relacionados a uma enfermidade definida, como taquicardia, dor no peito, sudorese, tremores, vertigem, respiração ofegante, alteração de pressão arterial, entre outros.

A ansiedade pode manifestar-se também por sintomas físicos, como a taquicardia e dor no peito.
A ansiedade pode manifestar-se também por sintomas físicos, como a taquicardia e dor no peito.

Transtornos de ansiedade

Os transtornos de ansiedade são caracterizados por uma ansiedade desproporcional diante de um estímulo e com duração persistente, geralmente mais de seis meses. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil é um dos campeões em casos de transtorno de ansiedade, sendo que 9,3% da população sofrem com esse problema.

Dentre os principais tipos de transtorno de ansiedade, podemos citar:

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)

É caracterizado por preocupação excessiva, geralmente é de difícil controle e de longa duração, e pode ser agravado mediante determinadas situações da vida. A TAG, além dos sintomas psicológicos, apresenta sintomas físicos, como os já citados, por exemplo, a taquicardia.

A TAG é um dos transtornos mentais mais comuns, no entanto, é um dos mais subnotificados. Seu diagnóstico é, muitas vezes, confundido com o de depressão, devido às formas que afetam o indivíduo, causando-lhe sofrimento e comprometendo, por exemplo, a sua produtividade.

Fobia específica

Na fobia específica, o indivíduo apresenta um medo excessivo, que foge de seu controle, de um objecto ou alguma situação (desde que não seja uma situação que envolva exposição pública ou medo de um ataque de pânico). Entre as reações do indivíduo diante do estímulo que lhe causa fobia, estão a imobilidade e o choro, por exemplo.

Fobia social

É caracterizado pelo medo e timidez exacerbados diante de uma situação de exposição em ambiente público, por exemplo, a apresentação de um trabalho escolar. É mais frequente em rapazes, iniciando-se após a puberdade e podendo persistir pela vida adulta.

Transtorno de pânico
O indivíduo apresenta crises que surgem de repente, sem motivo aparente, e que duram minutos, nas quais surge um sentimento de perda de controle, sensação de que vai enlouquecer ou de morte eminente.

Com esses sentimentos surgem também os sintomas físicos, que podem ser taquicardia, dor no peito, falta de ar e sensação de desmaio, por exemplo. Esse transtorno é mais comum em mulheres e surge, geralmente, logo após a adolescência.

Transtorno de estresse pós-traumático

Surge após acontecimento traumático em que a vida do indivíduo, ou de outras pessoas, possa ter sido colocada em risco, como um assalto ou acidente. Esses acontecimentos passam a ser revividos mentalmente, causando sofrimento, dificuldade de concentração, alterações no sono, irritabilidade e dificuldades de relacionamento social, por exemplo.

Lavar as mãos repetidas vezes é uma das compulsões apresentadas pelo Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).
Lavar as mãos repetidas vezes é uma das compulsões apresentadas pelo Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

Nesse tipo de transtorno, surgem pensamentos e sentimentos incontroláveis que causam desconforto e ansiedade no indivíduo, denominados de obsessão. Diante disso, o indivíduo passa a realizar algum tipo de ritual para amenizá-los. Ele sente que, se não realizar um determinado ritual, algo muito ruim pode acontecer.

A concretização desses rituais dá-se por um comportamento repetitivo e padronizado, denominado de compulsão. Como exemplo deles podemos citar: lavar das mãos o tempo todo, verificar fechaduras das portas repetidas vezes, e andar sem pisar em linhas.

Diagnóstico e tratamento da ansiedade

O diagnóstico da ansiedade é realizado pela análise clínica com um médico psiquiatra, o qual verificará os sintomas apresentados pelo paciente. O tratamento consiste, principalmente, em psicoterapia, sendo que, em alguns casos, a administração de medicamentos pode ser recomendada. No entanto, é importante destacar que o uso de medicamentos só deve ser feito mediante prescrição médica.

Ioga, técnicas de relaxamento, acupuntura, musicoterapia e prática de atividades físicas, por exemplo, são atividades que podem auxiliar no tratamento da ansiedade.

Prevenção da ansiedade

Alguns hábitos podem auxiliar quem sofre de ansiedade, no intuito de evitar o surgimento de crises, como veremos a seguir:

  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Realizar atividades físicas;
  • Evitar o consumo de álcool;
  • Evitar o consumo exagerado de estimulantes, como café e cigarro;
  • Controlar o uso de aparelhos eletrônicos, como televisão e celular, principalmente à noite;
  • Dormir bem;
  • Evitar o estresse.

admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.