Gangrena

Gangrena

A gangrena é a morte de tecidos do corpo e pode ter diversas causas, como infecções bacterianas e falta de irrigação sanguínea desses tecidos. Pode ser classificada em diferentes tipos, sendo eles:

  • Gasosa;
  • Molhada;
  • Seca;
  • Interna;
  • De Fournier;
  • De Meleney.

Os sintomas variam conforme o tipo de gangrena apresentado, podendo surgir mudanças na coloração da pele — variando entre um tom pálido até preto —, inchaço e febre.

Alguns fatores podem contribuir para o surgimento da gangrena, como diabetes, problemas circulatórios, tabagismo e obesidade. O tratamento consiste em remoção do tecido morto, administração de antibióticos e oxigenoterapia. Quanto mais cedo se iniciar o tratamento, mais eficaz.

A gangrena em alguns casos pode desenvolver complicações, como a necessidade de amputação de membros. Alguns cuidados podem ajudar a preveni-la, como evitar o tabagismo e controlar a diabetes.

Veja também: Doenças bacterianas – lista de doenças que também podem ser desencadeadas por bactérias

A gangrena caracteriza-se pela morte de tecidos do organismo.

O que é gangrena?
A gangrena é a morte de tecidos do organismo. Ela acfeta principalmente as extremidades, como dedos dos pés e mãos, mas também pode atingir órgãos internos. Apresenta-se de diferentes formas, dependendo, por exemplo, de suas causas e da velocidade em que o processo se instala. Se não tratada de forma rápida e eficaz, pode desenvolver complicações, como a amputação de membros, ou, até mesmo, a morte do doente.

Causas da gangrena

A gangrena pode ser causada por diferentes factores, como:

  • Infecções bacterianas;
  • Falta de irrigação sanguínea, a qual acarreta a falta de nutrientes e oxigênio nos tecidos, desencadeando a sua morte, já que eles são levados aos tecidos pelo sangue;
  • Traumas na pele, como congelamento e lesões (essas últimas podem, inclusive, ser portas de entrada para bactérias).

Diante disso, é importante destacar que alguns fatores podem contribuir para o surgimento da gangrena. Veja a seguir alguns desses fatores de risco.

Problemas circulatórios: alguns problemas, como a aterosclerose, afetam o fluxo sanguíneo para determinadas regiões, o que pode desencadear a morte do tecido naquele local.

Diabetes: o excesso de açúcar no sangue pode causar danos em vasos sanguíneos, afetando assim a circulação.

Tabagismo: pode desencadear danos nos vasos sanguíneos, comprometendo a circulação.

Obesidade: o excesso de peso pode afetar a circulação sanguínea devido à compressão de vasos, além do fato de que algumas doenças que podem estar associadas com a obesidade, como a diabetes, são também fatores de risco para a gangrena

Imunossupressão: a baixa imunidade desencadeada por doenças, como a aids, e tratamentos, como a quimioterapia, podem deixar o organismo mais fragilizado para o combate contra uma infecção.

Tipos de gangrena
A gangrena pode apresentar-se de diferentes formas, como podemos ver a seguir.

  • Gangrena seca: comum em pessoas que apresentam problemas circulatórios e diabetes. Esse tipo de gangrena, também conhecido como “mumificação”, caracteriza-se por se desenvolver de forma lenta, apresentando perda de líquidos, devido tanto à falta de fluxo de nutrientes no local quanto à drenagem e evaporação. A pele no local afetado apresenta-se seca, dura e com uma coloração que pode variar de marrom a preto.
  • Gangrena molhada: também chamada de gangrena úmida ou pútrida, caracteriza-se pela formação de edemas, amolecimento da pele, podendo exalar um odor forte. Esse tipo de gangrena pode acfetar tanto extremidades quanto órgãos internos e é causado pela ação de bactérias. Se não tratada rapidamente, pode espalhar-se, ocasionando, inclusive, a morte do doente.
  • Gangrena gasosa: também chamada de gangrena bolhosa, esse tipo atinge os músculos e é causado por bactérias anaeróbias que produzem toxinas e liberam gases, o que leva a uma aparência bolhosa da pele com o passar do tempo. Essas bactérias se desenvolvem geralmente em lesões cirúrgicas onde há falta de irrigação sanguínea. Esse tipo de gangrena, se não tratado rapidamente, também pode ocasionar a morte do doente.
A gangrena pode levar ao desenvolvimento de lesões que exalam um forte odor.
A gangrena pode levar ao desenvolvimento de lesões que exalam um forte odor.
  • Gangrena interna: pode afetar um ou mais órgãos internos onde o fluxo sanguíneo está bloqueado. Também pode ocasionar a morte do doente, quando não tratada rapidamente. Dentre seus sintomas, destacam-se febre e dor intensa.
  • Gangrena de Fournier: esse tipo de lesão afeta principalmente as regiões genital, perineal e perianal. Desencadeada por infecção bacteriana, se não tratada de forma eficaz, pode espalhar-se rapidamente, levando o doente a óbito.
  • Gangrena de Meleney: tipo raro e que surge logo após procedimentos cirúrgicos. Causada por infecção bacteriana, caracteriza-se pelo surgimento de lesões bastante dolorosas.

Sintomas da gangrena

Os sintomas da gangrena variam conforme o tipo apresentado, no entanto é necessário estar atento aos sintomas abaixo e procurar um médico caso eles apareçam:

  • Febre persistente;
  • Alterações na pele, como o aparecimento de edemas, lesões, mudanças em sua temperatura local (calor ou frio) e na coloração (palidez ou escurecimento);
  • Dor repentina após procedimento cirúrgico;
  • Mau odor em lesões.
Um dos sintomas da gangrena é a mudança na coloração da pele, a qual pode variar de pálida a preta.
Um dos sintomas da gangrena é a mudança na coloração da pele, a qual pode variar de pálida a preta.

Tratamento e prevenção da gangrena

O tratamento da gangrena consiste em remoção do tecido lesionado, oxigenoterapia hiperbárica (modalidade terapêutica realizada com o objetivo de aumentar a concentração de oxigênio transportado pelo sangue) e administração de antibiótico. Quanto mais precocemente iniciado o tratamento, melhores os prognósticos de recuperação.

Alguns cuidados devem ser tomados para se prevenir o surgimento da gangrena, como:

  • Controle da diabetes;
  • Controle do peso;
  • Evitar o consumo de tabaco;
  • Tomar cuidado com temperaturas muito baixas;
  • Cuidar adequadamente de lesões para evitar o surgimento de infecções.

admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.